Senador Mozarildo se diz incrédulo com pesquisas eleitorais e relata tentativa de fraude no Ibope

BRASÍLIA [ ABN NEWS ] – O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) classifica como “criminoso” e “preocupante” o objeto da denúncia feita no dia 1º pelo senador Papaléo Paes (PSDB-AP). Segundo ele, um encarregado do Ibope teria oferecido a manipulação do resultado das pesquisas ao coordenador de campanha de um dos candidatos ao governo do Amapá. A fraude custaria R$ 1 milhão e abrangeria todas as pesquisas até o segundo turno. A oferta foi gravada.

– O senador Papaléo Paes ligou para o Dr. Montenegro, que é o dono do Ibope. O Dr. Montenegro disse que era uma empresa terceirizada que eles contratavam em Belém para fazer a pesquisa no Amapá. Essas pesquisas agora começam a me deixar, digamos assim, completamente incrédulo. Ora, se isso acontece no Amapá, o que não estará acontecendo, por exemplo, em Roraima? – questionou.

Mozarildo observou que em Roraima o Ibope também apresentou pesquisas “um pouco preocupantes”. Ele lembrou que na campanha eleitoral de 2006, as pesquisas do Ibope sempre apresentavam sua adversária na frente. Somente às vésperas da eleição, ela apresentou uma leve vantagem sobre Mozarildo, que venceu a eleição com 13% de vantagem.

O senador disse que chegou à conclusão de que a pesquisa de Roraima é manipulada, pois, de repente, o atual governador, que sempre esteve atrás nas pesquisas, apareceu na penúltima pesquisa com empate numérico (41% a 41%) e na pesquisa mais recente, já aparece com 6 pontos à frente do adversário. Ele fez um apelo a Montenegro que dê explicações sobre o caso, porque as pesquisas têm uma influência muito grande sobre o eleitor indeciso.

O senador Roberto Cavalcanti (PRB-PB) disse que na Paraíba não é diferente. Para ele, o problema está na terceirização porque não existe co-responsabilidade e as discrepâncias só aumentam. Ele defendeu o aprimoramento da veracidade dos institutos de pesquisa. O senador Augusto Botelho (sem partido-RR) lembrou que, durante a campanha eleitoral, os seus eleitores reclamaram que o seu nome não aparecia nos formulários dos pesquisadores do Ibope.

Mozarildo Cavalcanti solicitou ao Senado que lhe fornecesse o serviço de segurança durante a campanha eleitoral em Roraima.

R

1 Comentário

  1. Marco Dantas disse: Realmente isso é um absurdo. Com tanta coisa para ser votada nesse país, por exemplo, poderia ser mudado o código penal, dando artigos mais severos para bandidos, principalmente os de colarinho branco, mas preferem defender uma causa em especifico, dando crédito apenas para uma minoria. Sei que essas pessoas passam por situações de exclusão social por muitas vezes. Mas uma coisa é certa que se entrassem em uma igreja evangélica, jamais seriam tratados como excluídos, mas como escolhidos de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*